quinta-feira, 20 de junho de 2013

Por que o jovem não deve ler

Por Ulisses Tavares em 10/04/2012 na edição 689
Reproduzido de O TREM Itabirano nº 79, abril de 2012; intertítulo do OI

Calma, prezado leitor, nem você leu errado, nem eu pirei de vez. Este artigo pretende isso mesmo: dar novos motivos para que os moços e moças de nosso Brasil continuem lendo apenas o suficiente para não bombar na escola.
Continuem, jovens, vendo a leitura como algo completamente estapafúrdio, irrelevante, anacrônico, e permaneçam habitando o universo ágrafo dos hedonistas incensados nos reality shows.
(Epa, acho que exagerei. Afinal, quem não lê, muito dificilmente vai conseguir compreender essa última frase. Desculpem aí, manos: eu quis dizer que os carinhas, hoje, precisam de dicionário pra entender gibi da Mônica, na onda dos sarados e popozudas que veem na telinha, e que vou dar uma força pra essa parada aí, porra.)
Explico mais ainda: é que, aproveitando o gancho do Salão do Livro InfantoJuvenil, no Parque do Ibirapuera, Sampa, pensei em escrever sobre a importância da leitura. Algo leve mas suficiente para despertar em meia dúzia de jovens o gosto pela leitura (de quê? De tudo! De jornais a livros de filosofia; de bulas de remédio a conselhos religiosos; de revistas a tratados de física quântica; de autores clássicos a paulos coelhos).
Daí aconteceram três coisas que me fizeram mudar de rumo e de ideia.
Primeiro, eu li que fizeram, alguns meses atrás, um teste de leitura com estudantes do ensino fundamental de uma dezena de países. Era para avaliar se eles entendiam de verdade o que estavam lendo. Adivinhem quem tirou o último lugar, até mesmo atrás de paizinhos miseráveis e perdidos no mapa- múndi? Acertou, bródi: o nosso Brasil.

Saída única
Logo depois, li uma notícia boa, que, na verdade, é ruim: o (des)governo de São Paulo anuncia maior número de crianças na escola, mas adotou a política da não reprovação. Traduzindo: neguinho passa de ano, sim, mas continua tecnicamente analfabeto. Porque ler sem raciocinar é como preencher um cheque sem saber quanto se tem no banco.
E, por último, li, em pesquisa publicada recentemente nos jornais, que, para 56% dos brasileiros entre 18 e 25 anos, comprar mais significa mais felicidade, pouco se importando com problemas ambientais e sociais do consumo desenfreado. Ou seja, o jovem brasileirinho gosta de comprar muitas latinhas de cerveja, mas toma todas e joga todas nas ruas ou nas estradas, sem remorso.
Viram como ler atrapalha? A gente fica sabendo de fatos que, se não soubesse, teria mais tempo para curtir o próprio umbigo numa boa, sem ficar indignado e preocupado com a situação atual de boa parte de nossa juventude.
E também faz o tico e o teco (nossos dois neurônios que ainda funcionam, já que, se dividirmos o quociente de inteligência nacional pelo número de habitantes, não deve sobrar mais que isso per capita) malharem e suarem, em vez de ficarmos admirando o crescimento do bumbum e do muque no espelho das academias de musculação.
Por isso que, num momento de desalento, decidi que de agora em diante, como escritor e professor, nunca mais vou recomendar a ninguém que leia mais, que abra livros para abrir a cabeça.
A realidade é brutal e desmentiria em seguida qualquer motivo que eu desse para um jovem tupiniquim trocar a alienação pela leitura.
Reconheço: a maioria está certa em não ler. E tem, no mínimo, cinco razões poderosas, maiores e melhores que meus frágeis argumentos ao contrário:

1. Se ler, vai querer participar como cidadão dos destinos do país. Não vale a pena o esforço. Como disse Lula (que não teve muita escola, mas sempre leu pra caramba), a juventude não gosta de política, mas os políticos adoram. Por isso que eles mandam e desmandam há séculos;
2. Se ler, vai saber que estão mentindo e matando montes de jovens todos os dias em todos os lugares do Brasil, impunemente; principalmente, porque esses jovens não percebem nem têm como saber (a não ser lendo) a tremenda cilada que é acreditar que bacana é mentir e matar também;
3. Se ler, vai acordar um dia e se perguntar que diabo é isso que anda acontecendo neste lugar, onde só ladrões, corruptos, prostitutas e ignorantes aparecem na mídia;
4. Se ler, vai ficar mais humano e, horror dos horrores, é até capaz de sentir vontade de se engajar num trabalho comunitário, voluntário e parar de ser egoísta;
5. Se ler, vai comparar opiniões, acontecimentos, impressões e emoções e acabar descobrindo que sua vida andava meio torta, meio gado feliz.

O espaço está acabando e me deu vontade de lembrar que ninguém – nem mesmo alguém que não vê utilidade na leitura – pode achar que há um belo futuro aguardando uma juventude que vai de revólver pra escola e, lá, absorve não conhecimentos mas um baseado ou uma carreirinha maneira. Sim, é outra pesquisa que li, esta dando conta de que sete entre dez estudantes brasileiros andam armados, três entre dez se drogam na escola, sete entre dez bebem regularmente.
Mas paro por aqui, já que, apesar desses tristes tempos verdes e amarelos (as cores do vômito, papito), lembro também de tantos poetas, jornalistas e escritores que, ao longo de minha vida de leitor apaixonado, me deram toques de esperança, força e fé na mudança.
De um especialmente – o poeta Thiago de Melo –, com seu verso comovido e repleto de coragem: “Faz escuro, mas eu canto!”
Talvez meu pequeno cantar sirva de guia do homem (e mulher) de amanhã. E que, lendo mais, ele/ela evite ter como única alternativa para mudar de vida dar a bunda (e a alma) ou engolir baratas (e a dignidade) diante das câmeras.
***
[Ulisses Tavares é poeta, jornalista, publicitário, roteirista de televisão e professor]
 http://www.observatoriodaimprensa.com.br/news/view/_ed689_por_que_o_jovem_nao_deve_ler
acessado em 19/06/2013

Prezado aluno! Após a leitura deste texto e sua análise, formule um texto colocando suas argumentações, a favor e contra, sobre o tema central.

domingo, 16 de junho de 2013

Ensino Médio - A História do Racismo

Vídeo produzido pela BBC sobre "A História do Racismo" e o seu legado.




Origem do Dinheiro




A história da civilização nos conta que o homem primitivo procurava defender-se do frio e da fome, abrigando-se em cavernas e alimentando-se de frutos silvestres, ou do que conseguia obter da caça e da pesca. Ao longo dos séculos, com o desenvolvimento da inteligência, passou a espécie humana a sentir a necessidade de maior conforto e a reparar no seu semelhante. Assim, como decorrência das necessidades individuais, surgiram as trocas.
Esse sistema de troca direta, que durou por vários séculos, deu origem ao surgimento de vocábulos como "salário", o pagamento feito através de certa quantidade de sal; "pecúnia", do latim "pecus", que significa rebanho (gado) ou "peculium", relativo ao gado miúdo (ovelha ou cabrito).
As primeiras moedas, tal como conhecemos hoje, peças representando valores, geralmente em metal, surgiram na Lídia (atual Turquia), no século VII A. C.. As características que se desejava ressaltar eram transportadas para as peças através da pancada de um objeto pesado (martelo), em primitivos cunhos. Foi o surgimento da cunhagem a martelo, onde os signos monetários eram valorizados também pela nobreza dos metais empregados, como o ouro e a prata.
Embora a evolução dos tempos tenha levado à substituição do ouro e da prata por metais menos raros ou suas ligas, preservou-se, com o passar dos séculos, a associação dos atributos de beleza e expressão cultural ao valor monetário das moedas, que quase sempre, na atualidade, apresentam figuras representativas da história, da cultura, das riquezas e do poder das sociedades.
A necessidade de guardar as moedas em segurança deu surgimento aos bancos. Os negociantes de ouro e prata, por terem cofres e guardas a seu serviço, passaram a aceitar a responsabilidade de cuidar do dinheiro de seus clientes e a dar recibos escritos das quantias guardadas. Esses recibos (então conhecidos como "goldsmith´s notes") passaram, com o tempo, a servir como meio de pagamento por seus possuidores, por serem mais seguros de portar do que o dinheiro vivo. Assim surgiram as primeiras cédulas de "papel moeda", ou cédulas de banco, ao mesmo tempo em que a guarda dos valores em espécie dava origem a instituições bancárias.
Os primeiros bancos reconhecidos oficialmente surgiram, respectivamente, na Suécia, em 1656; na Inglaterra, em 1694; na França, em 1700 e no Brasil, em 1808 e a palavra "bank" veio da italiana "banco", peça de madeira que os comerciantes de valores oriundos da Itália e estabelecidos em Londres usavam para operar seus negócios no mercado público londrino.
Fonte: Livro "Casa da Moeda do Brasil: 290 anos de História, 1694/1984".

(Texto do Site da Casa da Moeda: Origem do Dinheiro http://www.casadamoeda.gov.br/portalCMB/menu/cmb/sobreCMB/origem-dinheiro.jsp?sbMuseu=active acessado em 16/06/2013.)

Reformas monetárias

Parece um complicado quebra-cabeça. Ou um truque de mágica, no qual zeros e nomes como mil-réis, cruzeiro, cruzado, cruzeiro real e até URV surgem, desaparecem ou mudam de lugar num piscar de olhos. Mas essa é a história do sistema monetário brasileiro, pelo menos até 1994, quando foi lançado o real. Muitas vezes, como no caso do cruzeiro novo, em 1989, nem dava tempo de imprimir novas cédulas; o carimbo era o recurso utilizado para informar o novo valor do dinheiro.

Até outubro de 1942 - Mil-Réis ($000)


1942 - Cruzeiro (Cr$)


1965 - Cruzeiro Novo (NCr$)


1970 - Cruzeiro (Cr$)


1986 - Cruzado (Cz$)


1989 - Cruzado Novo (NCz$)


1990 - Cruzeiro (Cr$)


1993 - Cruzeiro Real (CR$)


1994 - Real (R$)

Criado em 1994, o real foi primeiro URV (unidade real de valor), um indexador determinado diariamente pelo governo. Na época de seu lançamento, cada real equivalia a 1 URV, ou 2.750 cruzeiros reais
 Instigue os jovens a falar das razões de tantas mudanças no nosso dinheiro. Ajude-os a perceber que todas estão relacionadas às alterações políticas e econômicas vividas em cada período. Revele que essas variações nos nomes e padrões gráficos não são expedientes comuns. No mundo inteiro, por sinal, são poucas as nações nas quais esse tipo de fenômeno foi tão intenso quanto no Brasil. Por isso, é notório o nível de adaptação do nosso sistema bancário a tamanhas flutuações. 

 (http://revistaescola.abril.com.br/ensino-medio/investigue-estudantes-valor-historico-nosso-dinheiro-425443.shtml acessado em 16/06/2013) 

Como surgiu o nome Estados Unidos da América?

A bandeira dos Estados Unidos da América. Foto: Omar Paixão

O país que hoje conhecemos como Estados Unidos da América era formado por treze colônias governadas por colonizadores ingleses. Após a independência, em 4 de julho de 1776, elas passaram de colônias para estados. A oficialização do nome Estados Unidos (United States) aconteceu em 9 de setembro desse mesmo ano, por determinação do Congresso Continental, órgão legislador na época.
Cada uma das treze colônias - Massachusetts, Rhode Island, Connecticut, New Hampshire, Nova Jersey, Nova York, Pensilvânia, Delaware, Virgínia, Maryland, Carolina do Norte, Carolina do Sul e Geórgia - tinha um "governador-geral" inglês nomeado pelo rei da Inglaterra e uma assembleia legislativa. Com a independência, tudo mudou. "As colônias cortaram os laços com a Inglaterra e instalaram uma república. Porém, a economia do novo país, os Estados Unidos, ainda continuou muito ligada a da inglesa", afirma David Fleischer, professor emérito do Instituto de Ciência Política da Universidade de Brasília (UnB). É interessante ainda observar que a Revolução Americana serviu de inspiração para a Revolução Francesa, em 1789.
A mudança de colônias para estados foi um marco regulatório bastante complicado, segundo o professor Fleischer. "A primeira carta magna - os artigos da Confederação de 1783 - não deu certo como sistema de governo e os estados procuravam algo que fosse a contento de todos, coisa muito difícil", explica o especialista.
Os problemas eram muitos, pois havia estados pequenos e pobres e outros maiores e mais ricos, e era preciso equilibrar a diferença com uma lei que atendesse a todos. "Eles então se inspiraram no pensador francês Charles de Montesquieu e promoveram a separação dos poderes, criando um congresso, porém deixando poderes e autonomia reservados para os estados-membros", diz o professor.
Nem tudo ficou resolvido. O regime escravocrata continuou nos estados do Sul. "Eles queriam incluir os escravos na contagem da população a fim de calcular a representação desses estados em número de deputados na Câmara, mas os Estados do Norte não concordaram", conta Fleischer. Posteriormente, chegaram a um acordo pelo qual cada escravo seria contado como três quintos (60%) de um homem livre para calcular a representação. "Este problema finalmente foi resolvido com a Guerra Civil americana, que terminou em 1865, quando o Congresso proibiu a escravidão", conclui o professor.

quinta-feira, 6 de junho de 2013

sábado, 1 de junho de 2013

Seminário Integrado - Orientação I

LAYOUT DA PÁGINA:

  •  Modificar a margem da direita para 2cm
  •   O projeto deve ser digitado com fonte: ARIAL ou TIMES NEW ROMAN, tamanho 12 para os textos e 14 para os títulos.
 CAPA
  • Texto centralizado
  • Tamanho: 14
 
FORMATAÇÃO DA PÁGINA:  
 
      Menu INÍCIO - PARÁGRAFO
  • Alinhamento: Justificada
  • Especial: Primeira Linha
  • Espaçamento entre linhas: 1,5 - Espaçamento Antes: 0  Depois : 0
 
TÍTULOS: 
  • Texto maiúsculo
  • Tamanho 14


Bibliografia
 ORIENTAÇÕES SOBRE A ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA.
 http://www.unicep.edu.br/cursos/matematicalicen/docs_aulas/Manual_TCC.pdf